Como podem ver estou fazendo algumas mudanças no fórum, por isso pode ficar um pouco instável ou bagudo ate que corrija todos os erros
Parceiros
Os membros mais ativos do mês
Carregando...

Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Usuário Nível 5
Usuário Nível 5
Sexo : Masculino
Mensagens : 725
Reputação : 8
Idade : 19
Localização : Rio de Janeiro
Comentários : Testando II :v
Ver perfil do usuário

Ajudando a Criar um roteiro .

em 20/9/2012, 5:09 am
Estava andando por ai procurando apostilas de Roteiros e achei esse '' Tutorial '' '' Texto '' , Chame-o como quizer .

A construção de suas personalidades.
Acho que essa é a coisa mais difícil de se idealizar num personagem pois não temos um treinamento criativo que nos estimule a trabalhar com a psique das nossas criações. Quase sempre, nesse processo criativo, temos por hábito buscar de outras fontes, quase sempre o universo pop das publicações, séries e filmes que assistimos (e gostamos) e colocar aquilo que achamos legal nas personagens. Quando não deveríamos pensar assim pois, primeiro, temos que conceber a personagem "por dentro" para, depois, aos poucos e por partes, acrescentar os elementos físicos e estéticos que as completam.
É quase que um vício mesmo. A gente gosta deste ou daquele personagem e acaba macaqueando sua personalidade, sem trabalhar corretamente a nossa visão. E é justamente ela que cria o diferencial pois uma vez que olhamos do nosso jeito para a personagem, é que ela cresce e se desenvolve.
Por isso é importante partir do principal elemento da criação, que é a concepção da personagem. Como ela pensa, como ela reagiria, como ela é para, depois, mostrar como ela aparenta ser.
Perceba que esse é um processo que se forma "de dentro para fora", da "alma" da personagem para sua estética. Na verdade, muitas vezes o desenho apenas complementa e finaliza a personagem. Não o contrário. O desenho apenas serve de roupagem para a idéia mas não pensamos nisso, já que somos convencionados a acreditar que o visual é mais importante que o estofo criativo. E é aí que cometemos nosso maior erro. Um erro comum, já que vivemos numa sociedade superficialista.
Só que agora você sabe o que deve pensar, então não tem desculpa prá errar. Por isso abri este tópico para valorizar a ficha do personagem, seu profile.
Obviamente que cada um escolhe a maneira por onde começar mas, no geral, e seguindo o que acredito ser mais funcional, eu opto pela ficha do personagem pois ela ajuda, e muito, a você não cometer erros criativos e fazer, por exemplo, uma personagem de índole pacífica que adora bichinhos virar uma louca furiosa que come carne crua.
A personagem é o que é, precisa ser simples mas sofisticada na exploração de suas "entranhas". E é terrível encontrar uma personagem mal desenvolvida. Mal desenhada vá lá mas que age de maneira incoerente? Tenha dó!
Tudo tem um limite. Se na sua linha de acontecimentos a sua personagem será de um jeito e agirá buscando objetivos mais profundos, mais profundamente você, autor, terá que conhece-la para não faze-la dizer bobagens ou cometer o maior dos crimes numa narrativa: perder o controle da personagem.
Por isso é importante você ter em mente uma linha de acontecimentos bastante programada, pois, assim, você poderá medir e controlar as reações da personagem. Impedindo-a de ser uma coisa e, depois, ser outra (a não ser que você saiba exatamente o que está fazendo).
Sacou? Linha de acontecimentos, criação e ficha de personagens.
Agora, vamos acrescentar mais algumas dicas:

1. Tenha um Horário de Trabalho - Escrever é um saco. Eu sei, porque escrevo. Sou que nem a falecida Clarice Linspector: detesto escrever, prefiro ficar viajando nos delírios. Mas não tem jeito, precisamos seguir prioridades.
Pense assim: você consegue estabelecer um tempo de trabalho de 7 a 10 horas por semana? Se você tiver que se livrar de alguma coisa menos importante para poder escrever... Livre-se dela. A hora é agora, depois pode ser tarde demais. Se possível, crie metas e objetivos; quero escrever um livro de 150 páginas de texto. Preciso escrever tantas páginas por dia por tanto tempo para concluir essas 150 páginas. Trabalhe assim em abses regulares e horários contínuos. E não se esqueça de se recompensar após tudo concluído.

2 - 150 Páginas? - Pois é, muitos aspirantes a roteiristas (se é que existe algum) acham que o número de páginas de texto precisa ser bastante. Daí desembestam a escrever e fazerm 300, 400 páginas. Pior é o desenhista, que nem um velho ilustrador maluco que conheci, que tem 3.000 páginas de HQs na gaveta e jamais publicará! Tudo besteira. Comece com algo em torno de 25 a 90 páginas que está ótimo. Ou se tiver texto adoidado, divida tudo em 1 ou 2 livros menores. Uma boa dica prá se saber a quantas andam o texto é separar as grandes ações por capítulos e, depois, fazer perguntas ao texto. Tente deixar tudo dentro do mesmo número de páginas pois essas perguntas poderão deixar o texto grande demais ou curto de menos. Daí você vai preenchendo (ou limpando) os capítulos com informações ou ações que faltam. E não se esquelça que seu texto, se seguir assim, estará obedecendo aos ditames da indústria literária! Assim, se o seu texto não virar mangá, pode virar livro! Eba!

3. A Paixão Te Guia! - Puta merda! O grande barato da gente escrever é, quando está mergulhado no trabalho, de repente a gente desembesta a fazer um puta texto legal e apaixonante. É a paixão que contamina o leitor mas nos mantém, como autores, produzindo textos ótimos. E que nos mantém motivados a ir e voltar ao texto, aprimorando-o, cortando o que tiver que cortar e acrescentando o que tiver que acrescentar. Mas lembre-se sempre que, mesmo apaixonado pela escrita, é um trabalho. Se você escreve e cria sem pensar que está trabalhando, você será mais um fanzineiro chulé que escreve prá si. A paixão é o diferencial de sentimento que vai no meio das palavras e que mostra se você é um bom autor, ou um sujeito que escreve para si mesmo.

4. Escolha O Que Lhe Interessa. - Isso é meio perigoso porque você precisa ter em mente que nem tudo o que tei interessa... Pode interessar aos outros. E vice-versa. (afinal, você pretende escrever pros outros e não prá si mesmo, certo?) Daí o que pega, o grande diferencial, é o seu olhar sobre a situação.

5. Pesquisa Sempre! - Se você se sente bem e feliz ao escrever sobre algo, certamente fará uma pesquisa séria sobre o assunto. Não adianta nada você inventar nomes sonoramente bacanas mas sem sentido, chutar arquitetura de qualquer jeito, fazer armas absurdas, criar mundos malucos e fazer roupas e vestimentas manjadas. Isso pode ser divertido prá você mas seu trabalho será insignfiicante e comum. Por exemplo, eu tenho uma personagem que é uma chinesinha. Eu pesquisei o nome dela e a chamei de Gui Ming. Mas eu perguntei a uma chinesa de verdade se o nome estava correto e ela recusou no ato. Pedi conselhos e ela, após conhecer minha personagem, chamou-a de Ka Lan (no original "cortadora de fios"). Atualmente estou pesquisando linguagem de aviação pois no Mil Nomes há uma parte em que os pilotos de um avião se comunicam à torre sobre o defeito da aeronave. Eu gostei tanto da chinesinha que estou pensando em fazer um livro só dela! Mas careço de informações sobre certas regiões da China e de algumas informações históricas. Certamente, ao conseguir isso, terei um texto mais cativante e um personagem mais coerente pro leitor... E vou aprender prá caramba sobre a China.

5. Seu Público-Alvo - Antes de escrever, você terá que pensar para quem escreverá, certo? Tenha em mente um públiico-alvo e seu texto será melhor focado, mais corretamente direcionado e interessante. Se você tem dificuldades em visualizar seu público, faça um pequeno profile dele. Inclua idade, sexo, maiores interesses, no que ele costuma gastar dinheiro, do que gosta, enfim, o seu objetivo deve ser capturar o interesse desse grupo de leitores. Por exemplo, você já sabe que vai escrever um roteiro de mangá. Legal! Então sabe que seu leitor é o otaku ou o apreciador de coisas do Japão. Então veja de que maneira o seu texto vai beneficiar esse grupo de leitores, o que você poderá ACRESCENTAR para esse leitor. Qual sua grande DIFERENÇA para eles. Se é prá fazer mais do mesmo, esqueça. Porque ali do lado tem um japonês fazendo um baita mangá de sucesso e você nem de longe vai chegar aos pés dele. Portanto, você tem que oferecer a esse leitor alguma coisa que valha a pena ser lida e que o estimule a pagar pelo o que você oferece.

6. Planifique Os Capítulos - Use um sistema de nomenclatura para cada capítulo. Ou seja, organize-os de tal maneira que, pelo título de abertura, você possa se sentir confortável para preencher os espaços vazios da narrativa. Não faça grandes elocubrações rocambolescas (tô com fome!) e nem grandes delírios alucinados e embromantes que o leitor fica de saco cheio e desiste de ler. Seja simples mas sem ser simplista. Seja fácil mas não seja frívolo. E nunca deixe de querer saber a opinião de quem leu aquele capítulo. Isso se consegue com um... Blog! Jogue seus capítulos num blog e, pelos comentários, vá medindo a reação do pessoal. O leitor adora quando o autor lhe dá um feedback.

Foi o que eu achei gente . Constrangido
Eu ia criar um tutorial eu mesmo , porém não me acho experiente o suficiente para fazer isso .


______________________________________________________________________________________________________________________________________________________
                           .
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum